A importância da regularidade na corrida

A importância da regularidade na corrida

Como acontece com todas as modalidades desportivas, um treino regular significa mais resistência e melhores resultados. A vários níveis.  A regularidade na corrida é garantia de uma maior evolução.

 

 

Uma rotina saudável

O corpo humano constrói-se de vários sistemas a funcionar interligados e em simultâneo e, neste sentido, a prática de uma modalidade desportiva regular afetará todos os sistemas do organismo.

Então, quando a regularidade de um treino aumenta ou diminui, todo o corpo, habituado a uma rotina, se manifesta e evolui ou retrai-se.

A regularidade na corrida também se traduz numa melhor preparação física, diminuindo o risco de lesões – mais comuns em hábitos de corrida intermitentes.

Correr de forma regular, com treinos completos e dinâmicos, trará mudanças evidentes ao organismo – alguém incapaz de correr alguns metros poderá, com alguns meses de treino, correr algumas dezenas de quilómetros initerruptamente e com maior velocidade.

A satisfação de um compromisso

A mudança de paradigma, passar de um corredor esporádico para um corredor persistente, e a adoção de um estilo de vida mais saudável e ativo, tornará esta regularidade cada vez mais espontânea e natural.

O hábito e o compromisso associados a um treino de corrida organizado e constante, são fatores de satisfação e equilíbrio, contribuindo não só para uma melhoria de resultados, resistência e preparação física, mas também para um bem-estar pleno.

 

Contamos contigo no próximo treino?
Inscreve-te aqui.

PINK DAYS: a tua oportunidade rosa para a Corrida da Mulher

PINK DAYS: a tua oportunidade rosa para a Corrida da Mulher

Começou oficialmente o countdown para a Corrida da Mulher: é já dia 20 de maio que uma multidão feminina se junta na corrida “EDP Lisboa, a mulher e a vida” e espalha pelas ruas da capital, a força e a resiliência.

O Renault Run Club tem vindo a premiar a assiduidade e a presença nos treinos e, para esta corrida, lança as oportunidades rosa: os PINK DAYS estão aí para garantir a tua presença nesta Corrida da Mulher.

Sabemos que aos sábados de manhã a logística pessoal/familiar/motivacional é complicada e nem sempre há tempo (e energia!) para calçar os ténis e ir correr uns quilómetros à beira-rio.

Por este motivo, o primeiro PINK DAY é já no próximo sábado, 14 de abril. Neste dia vais poder aperfeiçoar a tua técnica de corrida com o Bruno Brito, correr e salvaguardar o teu dorsal para esta prova (em quantos mais PINK DAYS participares, mais hipóteses tens de garantir o teu dorsal!).

 –

PINK DAYS: o teu bilhete (quase) garantido

Se ainda não és membro Renault Run Club, faz a tua inscrição aqui. Logo depois inscreve-te nos treinos aqui e marca presença no treino de sábado, 14 de abril.

Se já és uma runner Renault Run Club, inscreve-te já no próximo treino, aqui!

O ponto de encontro é no sítio do costume, nos jardins da Torre de Belém, o mesmo lugar onde vai terminar esta Corrida da Mulher: o percurso já nos é próximo. Vai ser uma festa!

 –

Aproxima-te do teu dorsal neste PINK DAY!

Correr tem género?

Correr tem género?

Quando se trata de desporto, os corpos masculino e feminino comportam-se de formas distintas: diferenças fisiológicas, anatómicas e genéticas acentuam-se e podem resultar em desempenhos diferentes.

A boa notícia para as mulheres é que estas diferenças diminuem à medida que as provas se tornam mais longas: quanto mais longa é a prova, menor é a diferença percentual nos resultados de homens e mulheres. Tal facto, deve-se à resistência inata da mulher, bem como a uma maior tolerância à dor.

 

Então, quais são as maiores diferenças entre homens e mulheres quando se trata de correr? Será que correr tem género?

 

Anatomia

Anatomicamente falando, existem diferenças que podem ser definidoras. O sistema cardiovascular masculino é maior, permitindo-lhes um menor esforço para atingir objetivos. Ou seja, o coração feminino precisa de bater mais vezes para bombear a mesma quantidade de sangue para os tecidos.

 

Sistema hormonal

A testosterona, hormona predominante no organismo masculino, tem um importante papel na prática desportiva: favorece o aumento da massa muscular (o chamado anabolismo), potenciando força, velocidade e potência.

 

Gorduras

Outra diferença marcante entre homens e mulheres é a quantidade de gordura corporal que, anatomicamente, tende a ser maior no corpo feminino.

Se esta caraterística pode acarretar algumas desvantagens competitivas, também pode tornar-se uma vantagem interessante num contexto de longas distâncias: a reserva energética de tecido adiposo aumenta a resistência.

 

Um bom treino é essencial

Entre vantagens, desvantagens e diferenças, algo é transversal à preparação física e à evolução do desempenho e performance de cada atleta: um treino completo e rigoroso.

Se correr tem género, então, identificar dificuldades, reconhecer potencial e trabalhar ambos é o caminho para conseguir bons resultados, independentemente do atleta ser um homem ou uma mulher.

Historicamente, as mulheres estiveram afastadas de competições durante muito tempo e, ainda assim, os seus resultados têm evoluído de forma constante, diminuindo as diferenças entre desempenhos: o tempo recorde da maratona masculina está em 2h02mn e o tempo recorde da maratona masculina aponta 2h17mn. Uma diferença muito curta.

 

Numa modalidade desportiva que poderá ter resultados de desempenho influenciados por diferenças orgânicas, a mensagem importante a reter é a da liberdade de abraçar um desporto pelo prazer que proporciona e ser esse o medidor do seu sucesso. 

Correr tem género? Nada impede homens e mulheres de serem felizes, ágeis e bem-sucedidos a correr!

 

Contamos contigo no próximo treino?
Inscreve-te aqui.